Crimes literários

Lendo a resenha sobre o novo livro do Jô Soares, publicada ontem, na Folha de SP, comecei a pensar que a crítica nacional não tem coerência. O autor do texto desce a lenha no livro do Gordo, porque a obra aparentemente é muito didática. Bom, um dia, num sebo, li as páginas iniciais de “Xangô de Baker Street” e decidi que aquilo não era para mim. Mas acho que o Jô está no caminho certo – ele se preocupa com as vendas de seus livros, logo deve se preocupar com seus leitores e seus leitores são, na melhor das hipóteses, aqueles que veem seu programa. Ou seja: a classe média que acredita que, ao ler Jô Soares, está por dentro da literatura contemporânea brasileira. Daí que ele precisa do didatismo, senão não vende mesmo. Deve mastigar as citações para o leitor, que não faz muita ideia do que representa o rio Estige para a mitologia ou da importância de Caronte para aqueles que morrem. E nem querem se dar ao trabalho de pesquisar. É assim que se vende meio milhão de livros. Por outro lado, já li texto deste mesmo resenhista e de outros mais ou menos importantes do que ele, reclamando de livros herméticos demais, quase ininteligíveis. É aí que entra, talvez, para estes resenhistas, uma obra de uma Isabel Allende, que nunca chegará a Roberto Bolaño, mas também não faz feio frente a um Antonio Skármeta. E não fere o ego de ninguém.

 

Lançamento no Canto Madalena

Foi bacana conhecer tanta gente com quem me correspondia há anos e anos. E também vou voltar a escrever crônicas para o Crônica do Dia. Depois de mais de dez anos afastado. Bom, bom… Vamos às fotos.

As duas Carlas - Cintia Conteiro, em primeiro plano. Ao fundo Dias. Não paravam de assinar.

 

As Carlas e depois Claudia Letti.

 

Casa cheia.

 

Eu, Carla Dias e Eduardo Loureiro Jr., o idealizador de tudo.

 

Eduardo faz um pronunciamento.

 

Eu, a atriz Christiane Tricerri e o escritor Osvaldo Rodrigues. Finalzinho de festa.

 

Agora, próximo lançamento dia 10 de novembro, no Rio de Janeiro. Já já eu posto aqui o convite.

Lançamento “sol entre noites”

Ontem aconteceu o lançamento do meu novo livro “Sol entre noites”, na Livraria da Vila. Foi muito bacana, show mesmo. Rever amigos é sempre maravilhoso. Celso de Alencar, poeta, Osvaldo Rodrigues, Carla Dias, Guy Corrêa, Alonso Alvarez, escritores, Nicia Ogawa, uma amiga de longa data, que não via há quatro anos ou mais. Tanta gente que revi. Quem não foi ao lançamento, pode adquirir o livro na página da Ficções.

Eu com meus amigos.