Assim começa um conto antigo

Era sexta-feira quando passou cabisbaixa pela vizinha atenta, sem cumprimentá-la apesar do oi mexeriqueiro, mecanicamente abriu a porta de casa. Não esperava encontrar Nicanor e, de fato assim foi melhor, já no trabalho hora dessas, cansada para um desconsolo. Desejava um banho: antevia a banheira cheia de uma água reconfortante. O dia fora duro, de telefonemas engraçadinhos, informações que podiam encontrar no guia e era obrigada a todas as delicadezas. Ali se sentia dona de algo: vislumbre de uma liberdade tardia, porém essencial.

Se ele não estava, parecia tanto lhe fazer, ideia que a assustava, porque confirmava uma espécie de sujeição para com esse amor que não podia expirar por um motivo remediável. Não se encontravam há sete dias, dali a pouco viriam as férias, prometeram. Se facilitasse, podiam dispensá-la, meio descartável a sua espécie de funcionário. Arriscar?, ao mesmo tempo uma felicidade tão fácil e legitimamente exposta, uma maçã madura ao alcance, uma força agindo, mas quase impossível estender o braço.

———

Este conto se chamava “Feitiço de Áquila”, por causa daquele filme do Richard Donner, Ladyhawke, de 1985, com Michelle Pfeiffer. Com ele ganhei meu primeiro prêmio importante, o Xerox, que já não existe mais. No caso do filme, a história se passa em uma época medieval. O bispo da cidade de Áquila lança uma maldição em um casal – eles não podem se encontrar na forma humana – à noite ele é um falcão e de dia ela é uma loba. Transportei isso para os tempos atuais: ele trabalha no terceiro turno e ela no turno normal e ficam, algumas vezes, uma semana sem se ver. Engraçado que este conto foi traduzido para o inglês com o título “Aquila’s spell”, nada a ver com o título original do filme.

Feitiço de Áquila

Anúncios

4 comentários sobre “Assim começa um conto antigo

  1. Whisner, parabéns pelo trabalho, tenho acompanhado você à distância. Quanto ao Lobo Antunes, li seu “As Naus” e, apesar de considerá-lo um “dificultador de leitura”, tenho a impressão de estar diante do proximo Nobel de língua portuguesa. Ainda assim, prefiro Inês Pedrosa. Abração.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s